SINCRONIZE: Gullivera

Após uma sumidinha aqui no blog, o Sincronize está de volta com a banda responsável pela abertura da primeira Noites Café Com Leche, a Gullivera trocou uma ideia com a gente sobre influências, o processo de criação e sobre música, MUITA música. Tudo isso vocês conferem na integra lá no final do post, no áudio da entrevista.

Guilherme Nakata, Icaro Nakata, Rodrigo Mitsuru e Ede Lima.

Donos de grooves inconfundíveis, a Gulivera é formada por Rodrigo Mitsuru (voz e guitarra), Icaro Nakata (guitarra), Ede Lima (baixo) e Guilherme Nakata (bateria) que usou como fonte de inspiração para o nome a reeleitura feita por Manara em 1996 das Viagens de Gulliver, o famoso clássico inglês. Gullivera é o nome da personagem criada por Manara. No lugar de um gigante perdido após um naufrágio, temos uma mulher que durante um banho de sol perde as suas roupas e assim começa a trama, vale a pena a googlada.

  Como que ocorreu de vocês se juntarem e formarem uma banda?
Rodrigo: A gente é primo, eu o Guilherme e o Icaro. Na verdade, o Guilherme não é meu primo, mas o Guilherme é primo do Icaro que é meu primo. Ou seja, a gente cresceu tudo junto. Eu estudava com Ede e na oitava serie resolvemos montar uma banda.

 Se vocês não fossem da banda, e achassem o som de vocês na internet e fossem passar pros amigos de vocês, o que vocês falariam?
R: Escuta aí um som que ninguém nunca ouviu!


 E como que é o processo de criação/produção?
Ede: Basicamente, a gente faz tudo junto. Um traz uma ideia, e o outro traz outra, e ai a gente acaba juntando. Sentamos na sala lá de casa e conversamos. "Pô, essa música te remete mais ou menos a que?", se for algo mais sensual eu já entro com uma batera com uma pegada mais sensual. Já rolou de músicas aparecerem só com a guitarra, só com o baixo... 
Icaro: A formula é basicamente a gente conviver junto.

 Se pintasse a oportunidade de sair em turnê com alguma banda ou cantor, qual seria?
R: A gente tenta soar uma coisa única, então uma turnê com o Tim Maia, O Rappa, Skank. Banda identificadas com o mesmo estilo que a gente toca.



Tendo como ídolo unânime, Tim Maia é o ser que mais inspira os integrantes da banda que a principio era de Ribeirão Pires, ABC Paulista, mas recentemente viram a necessidade de mudar-se para São Paulo, para tornar as coisas mais fáceis para todos. Na entrevista, contam que já aconteceram diversos imprevistos com a banda devido o longo caminho que tinham que percorrer para irem tocar na capital, por exemplo.


Juntos à 15 anos, a banda já ganhou um belo material para carregar nas costas, entre eles o o Apoteose, de 2012 que foi o álbum responsável pela inclusão do quarteto em novos ares. Em 2014, lançaram o EP "Tanto Tempo Num Estante" que conta com 2 músicas, ambas com clipes já divulgados.

  Recentemente vocês lançaram um clipe, como que foi gravar ele e a escolha da música?
R:  Essa música faz parte do EP que a gente lançou, "Tanto Tempo Num Estante" e nós resolvemos gravar um clipe para cada uma das duas músicas. O clipe foi gravado no primeiro lugar que a gente tocou na vida, num bar lá Paranapiacaba, lugar histórico de Santo André. Esse foi o clipe que teve mais gente, teve o pessoal do Várzea fazendo as projeções e direção, foi uma experiencia nova para vermos como que funciona. 


Outra coisa legal que a banda realizou, foi gravar o Costella Live Sessions no Estudio Costella com o Chuck Hipolitho. Das gravações ao vivo, saiu um álbum que contém faixas inéditas e algumas releituras de músicas de outros tempos da Gullivera. Só dar o play logo abaixo!


  Qual foi a coisa mais difícil que vocês já enfrentaram juntos?
R: Quando a gente estava em Ribeirão Pires. (...) Eu acho que o momento mais difícil foi justamente esse, o de começar, e aí vamos fazer isso? Até os país aceitarem..

  Como vocês se veem daqui a cinco anos?
Ede: No Lollapalooza e nos festivais da gringa também. 
Rodrigo: Não quero andar de carro, quero andar mais de van e de avião.
Icaro: Como a gente mora junto, nós produzimos muito juntos, então daqui a cinco anos nós teremos bastante material. Sei lá, espero que a gente esteja com umas 120 musicas lançadas, no Grammy...


Curtiu? Tem mais perguntas feitas por nós, só ouvir logo abaixo. No final há uma conversa bem ampla sobre música com os caras.

Comente com o Facebook: