SINCRONIZE: Baleia

O Sincronize dessa semana será com a banda Baleia, do Rio de Janeiro que nós atendeu em seu hotel aqui em São Paulo, em Agosto na até então a última passada da banda na capital. Em um clima descontraído, conversamos sobre o primeiro cd deles, o foco nos shows e ao final sobre (muita) música. O áudio da entrevista você pode ouvir no final do post.


O início da Baleia foi feito por uma proposta mais fechada, onde eles cantavam e tocavam covers. Mas depois foi mudando. "Parece que foi uma mudança brusca mas nós já estávamos trabalhando com algumas músicas autorais nos setlists e elas foram entrando e tomando mais espaço. Então a gente decidiu gravar o cd, durante um ano." Sobre essa transição eles completam: Foi uma mudança natural, não teve exatamente um dia que nós chegamos e falamos: "vamos gravar um disco completamente autoral".


 Atualmente vocês estão morando no Rio, pensam em se mudar para São Paulo?
R: Toda vez que a gente vem pra cá (São Paulo) aparece essa questão. Na hora do almoço temos várias opções gostosas para comer e o público é sempre muito receptivo. Em São Paulo tem muito lugar para tocar, no Rio a gente fica meio que reclamando por não ter onde tocar, não se é pelo fato de já estarmos lá a um tempo. 

 Vocês tem parceria/amizade com a Marcela Vale e o Cicero, como que vocês se conheceram?
R: A Marcela eu conheci num show da Queremos! e ela é amiga de uns amigos. Aconteceu da gente ter que gravar um programa e ficamos 3 dias juntos e ela é muito engraçada, depois começamos a marcar shows juntos. O Cícero tem o mesmo produtor que a gente, então ele falava da gente pro Cicero e vice versa, um começou a ouvir o outro. A gente marcou para tomar umas cervejas e aí foi indo. O Cícero também é amigo da Marcela então criou um ciclo.



 Vocês estão estreando uma "turnê" nacional, é meio assustador para vocês ver caras e sotaques diferentes?
R: A gente ainda está na mesma latitude, mas não assusta não, pelo contrário, é um desafio pois ficamos um pouco ansioso para ver qual é a reação do público e ao mesmo tempo dá uma alegria por poder mostrar nossa música a pessoas novas. O perigo da gente ainda ser uma banda pequena é continuarmos sendo uma banda virtual, que o pessoal gosta e conhece mas não tem uma maior aproximação de ver a gente tocando ali ao vivo. É um suspense ir para um lugar sem saber quantas pessoas vão aparecer. Viajar já é bom, viajar trabalhando é bem melhor.

 Na banda vocês tocam em 6, como conseguem tanta sincronia na hora dos shows?
R: Muito ensaio! Sabe de sábado quando você e todos seus amigos estão dormindo? A gente está ensaiando. Nós também tivemos um longo processo de escolher o que colocar no cd, por no show são 6 mas no cd são tipo 30, ficamos uns 6 meses para decidir, mas agora está bem mais tranquilo.

 E na questão de compor e produzir música, é difícil agradar todo mundo?
R: Demora. Ver alguém chegar com uma música no violão e ter ela pré gravada demora muito. Trabalhamos muito tempo em cada música, estudamos possibilidades, desmontamos os arranjos... Com "Breu" foi assim, nós tínhamos o arranjo inteiro mais ou menos pronto e refizemos todo ele. Um gosta, outro não gosta, no outro ensaio já gosta, para de gostar e ai vai indo. Essa parte de criação é divertida. E a já tinha gravado o cd em um estúdio caseiro antes de irmos gravar, justamente para irmos vendo como que estava, então no estúdio já estávamos mais tranquilos quando chegamos no estúdio profissional.


 Agora vamos falar sobre o disco! Rolou planejamento algum sobre uma mensagem ou ele surgiu naturalmente?
R: Como é o primeiro disco, é difícil ter uma coisa muito especifica, como estamos trabalhando juntos é claro que surge uma unidade, uma proposta. O disco tem um áurea que pode variar de pessoa para pessoa, na própria banda mesmo cada um acha uma coisa, é bem abstrato. 

 Sobre a arte visual, eu queria saber como que foi o casamento da capa com as músicas.
R: Qualquer decisão que tomamos é sempre muito pensada, porque tem aquela coisa de serem 6 pessoas. Já havíamos pensando em algumas coisas, não a arte ao todo. A foto apareceu no facebook, um viu e a gente começou a olhar dentro da imagem com a ideia do cd e das músicas. Um salto, duas pessoas pulando, de onde tá vindo, é uma coisa meio em suspensão e... deixa cada um interpretar.


 O que a gente pode esperar de vocês no final desse ano e 2015? 
R: Esse ano a gente tá querendo sair para fazer show, é o foco de agora. De conteúdo produzido por nós não aparecerá nada muito novo, como um cd, só coisas que complementem as já existentes. A gente pensa em ideias de vídeos, ideias de material.


 Como disseram, estão focados em fazer shows. Se pudessem sair em turnê com algum artista (morto ou vivo), qual seria?
Led Zeppelin, Radiohead, Bjork, Michael Jackson 

 O que vocês tem ouvido de novo?
R: Temos ouvido uma galera que estamos encontrando nos shows: Memórias de Um Caramujo, Charlie & os Marretas, O Terno.

Ainda tem muitas outras dessas perguntas no áudio, dá uma escutada!

LINKS ÚTEIS:
- Site

E esse foi mais um Sincronize!! Espero que tenham gostado da Baleia, acho a música deles totalmente diferente do que tem se feito atualmente, sem contar que eles são uns fofos e muito divertidos, voltem logo para São Paulo!

Comente com o Facebook: