3IN3: Conheça os trabalhos das bandas Bass Drum of Death, Death from Above 1979 e Royal Blood

Já falamos anteriormente mas vamos ressaltar mais uma vez: 2014 foi um ótimo para descobertas músicas e para revelações. Fazia muito tempo que nos deparamos com Bass Drum of Death, Death from Above 1979, Royal Blood e não sabíamos como apresenta-las aqui no Sincronias, mas aí descobrimos que a melhor maneira de fazer isso acontecer foi cita-las juntas. As 3 bandas são consideravelmente novas e possuem riffs potentes rentes, linhas de baixo relevantes e muita influência no garage rock e punk.



Com os dois pés no garage rock, Bass Drum of Death é power trio de Mississípi que mesmo tendo sido formada em meados de 2008, possui uma levada típica e original do garage rock visto anos atrás. 
Seu terceiro disco, o Rip This foi muito bem aceito por fãs e pelos sites de música do exterior. Ao ouvi-lo preste atenção nas faixas "For Blood", "Sin is in 10" e Route 69 (Yeah)".


 Death from Above 1979 é um duo canadense que possui um longa bagagem porém em 2006 devido a diversos desentendimentos decidiram dar uma pausa e cada um seguiu com seu projeto solo. 
5 anos depois, Jesse F. Keeler (MSTRKRFT e Femme Fatale) e Sebastien Grainger (solo) voltaram a ativa com o DFA 1979 e em setembro do ano passado lançaram a obra que concretiza essa volta: The Physical World. O The Physical World é um álbum muito potente, considerando o fato de somente encontrarmos baixo, guitarra, bateria, vocais e sintetizadores ao longo dele. "Cheap Talk" abre o disco mostrando o potencial da dupla e comprovando que uma bela linha de baixo quando acompanhada por excelentes riffs exaltados faz seus ouvintes delirarem. E assim se estende até "Virgins", "Always On" e "Crystal Ball", até chegar a baladinha do disco, "White Is Red". Pulando algumas chegamos a "Government Trash" e "The Physical World" que expressam bem a identidade do cd. 


O também duo, Royal Blood foi sem dúvidas uma das maiores descobertas e indicações do gênero em 2014. Composta por Ben Thatcher e Mike Kerr, temos um elemento que causa espanto para quem o descobre: Mike além de assumir os vocais, toca o baixo das músicas que para muitos é uma guitarra. Mike faz uso de pedais e outros acessórios feitao para guitarra em seu baixo, o que possibilita "a magia acontecer". Royal Blood além de carregar o nome do duo, é o primeiro trabalho em estúdio dos caras. As faixas "Little Monster", "Figure It Out" e "Ten Tonne Skeleton" vão te fazer delirar com esse triunfo usado por eles. 

Comente com o Facebook: