Destrinchando o Super Bowl Haltime Show

Halftime Show de 2016. Foto: Reprodução

O brasileiro é conhecido mundialmente por amar o futebol com todas as suas forças. Essa paixão pelo desporto também é encontrada em outros países como os Estados Unidos. Diferentemente do Brasil, lá o esporte número um é o futebol americano e a Liga Nacional de Futebol Americano (abreviada como NFL) além de ser a maior do mundo, possui uma final muito cobiçada por todos.

Essa final recebe o nome de Super Bowl, ou Super Taça. Ela para nós brasileiros equivale como uma final do Campeonato Brasileiro de Futebol, que anualmente é disputado por dezenas de times e em um determinado momento ocorre a final com os dois melhores times da temporada. Outra coincidência entre ambos os campeonatos é que as transmissões são muito disputadas pelas emissoras e os anúncios também, isso porque a audiência que esses eventos possuem são monstruosas devido justamente a paixão que as pessoas carregam pelo o esporte.

Tendo em mente que muitas pessoas reservaram seu dia para assistir a final, os organizadores no final da década de 60 viram que seria interessante introduzir outra forma de entretenimento dentro do próprio jogo. Assim foi criado o Halftime Show. Ocorrendo entre o primeiro e o segundo tempo do jogo, as apresentações costumam ser bem curtas, no máximo 15 minutos contando com a montagem e desmontagem do palco, só para quebrar a tensão que os espectadores e torcedores estão.

Inaugurado em 1967 o Halftime Show até o começo dos anos 90 era realizado somente por bandas marciais, que tocavam canções populares. A coisa de fato ficou grandiosa no ano de 1991 quando a boy band New Kids on the Block em conjunto com a Disney realizaram uma apresentação que incluía um castelo enorme, personagens e crianças. A mudança na estrutura fez com que o show fosse transmitido somente no final do jogo, possivelmente por medo de não dar tempo. {assista aqui}

Em 1993 quem foi responsável pela festa foi Michael Jackson e a sua apresentação foi um divisor de águas para tudo o que já havia sido feito. A entrada foi triunfal e o rei do pop aparentava estar se teletransportando, o que gerou quase um minuto de ovacionamento enquanto o mesmo se encontrava estático. Deixando as bandas marciais de lado, a apresentação de Michael foi iniciada por um solo de guitarra. Assista abaixo:



Foi em 2000, na virada de século, que o Halftime Show, que vinha ocorrendo anualmente desde então, se consolidou mais ainda após os caminhos abertos por Michael Jackson. Organizado pela Disney o espetáculo daquele ano uniu Phil Collins, Christina Aguilera, Enrique Iglesias, Toni Braxton e Edward James Olmos. o 34º show contou com uma orquestra e uma cenografia voltada para a diversidade cultural. {assista aqui}

O ano seguinte teve como objetivo unir o pop e o rock. Apesar de soarem estilos tão diferentes, o concerto daquele ano rendeu muitos elogios porque uniu os atores Ben Stiller, Adam Sandler, Chris Rock que deixaram tudo muito descontraído durante um vídeo que foi exibido como parte da apresentação. O rock foi representado por Aerosmith e o pop por 'N Sync, Britney Spears, Mary J. Blige e Nelly. {assista aqui}. No ano subsequente o U2 fez uma apresentação emocionante em tributo ao ocorrido no dia 11 de Setembro. {assista aqui}

A apresentação de Janet Jackson, irmã de Michael Jackson, em 2004 foi tão marcante quanto a do irmão. O único porém é que esse caso foi marcado devido uma polêmica. Janet tinha como um de seus convidados do show o cantor Justin Timberlake e em determinado momento, Justin puxa uma parte da roupa de Janet, deixando o seu seio visível. O que tinha pra ser algo acidental passou a ser proposital após ser reparado que Janet Jackson estava com um piercing no mamilo.  Confira: 


Para finalizar o começo dos anos 2000 Paul McCartney (2005), Prince (2007), The Rolling Stones (2006), Bruce Springsteen (2009) e The Who (2010) além de serem nomes já consagrados foram escalados para se apresentarem. Com a chegada dos anos 2010 a escalação de artistas passou a ser voltada quase que completamente para o pop.

The Black Eyed Peas em sua fase *robótica* levou uma excelente apresentação para o Halftime de 2011. O show contou com as participações de Slash e Usher. Assista abaixo:



O ano seguinte contou com Madonna marcando seu "comeback" e se autodeclarando a rainha do pop vestida de Cleópatra. LMFAO, Cirque du Soleil, Nicki Minaj, M.I.A. e Cee Lo Green foram os convidados escolhidos. Foi nessa apresentação que houve a inovação quanto ao uso de imagens para criar um cenário através da reflexão delas. Assista abaixo:



Beyoncé surpreendeu todo mundo ao chamar Kelly Rowland e Michelle Williams relembrando o Destiny Child lá em 2013. O elemento escolhido pela cantora foi o fogo que se viu em toda a apresnetação, que possuía o palco que era um contorno do rosto de Beyoncé. Assista abaixo:



Bruno Mars levou sua atmosfera retrô para o intervalo de 2014. Junto com a sua banda e também do Red Hot Chili Peppers foi feito uma apresentação animada e também com uma mensagem de soldados americanos que estão servindo. Assista abaixo:



Katy Perry fez uma entrada tão triunfal quanto a de Michael Jackson e Madonna. A apresentação seguiu a linha da cantora: toda alegre e colorida. Na época um dos destaques, fora a apresentação e as participações de Lenny Kravitz e Missy Eliott, um dos tubarões-dançarinos caiu na graça da internet. Assista abaixo:



A última apresentação realizada até então foi a do Coldplay no começo do ano passado. Os convidados escolhidos foram os veteranos do intervalo Beyoncé e Bruno Mars. O show foi muito comentado por conter uma mensagem de positividade e também pelo fato de alguns conservadores terem se incomodado com a canção escolhida por Beyoncé. Assista abaixo:



Em 2017 quem comanda o intervalo do Super Bowl é a cantora Lady Gaga no próximo dia 5 de fevereiro.

Comente com o Facebook:

0 Comentários:

Postar um comentário